Agendamento de Serviço

Agende conosco o seu serviço de maneira prática e rápida, preencha os campos abaixo e solicite o seu serviço.

X

Orçamento

Contato

Email: casoacaso@casoacaso.com

Telefone:(71) 3341 - 4942

Intenção de investimento na indústria é a maior desde abril de 2014, mostra pesquisa da CNI.

Intenção de investimento na indústria é a maior desde abril de 2014, mostra pesquisa da CNI.

Publicação: 28.01.19

Empresários estão otimistas e esperam o crescimento da demanda, do emprego, das exportações e da compra de matérias-primas nos próximos seis meses

Leia Mais
Bahia vai assumir a liderança do setor de energia eólica do país ainda neste semestre

Bahia vai assumir a liderança do setor de energia eólica do país ainda neste semestre

Publicação: 21.01.19

Nos últimos quatro anos, foram investidos R$13,06 bilhões em energias renováveis.

Leia Mais
Ministério da Fazenda defende fim de subsídios para energia eólica e solar

Ministério da Fazenda defende fim de subsídios para energia eólica e solar

Publicação: 10.01.19

A avaliação é que essas fontes já estão competitivas.

Leia Mais
Inteligência Artificial ajuda a indústria a ser mais produtiva

Inteligência Artificial ajuda a indústria a ser mais produtiva

Publicação: 07.12.18

Segundo o diretor do Instituto SENAI de Inovação em Tecnologias da Informação e Comunicação, Sérgio Soares, a ferramenta é útil na tomada de decisões que otimizam a produção e diminuem o desperdício.

Leia Mais
Indústria baiana aposta em energia eólica para ganhar mais competitividade

Indústria baiana aposta em energia eólica para ganhar mais competitividade

Publicação: 30.11.18

Braskem e Ferbasa investem quase R$ 1 bilhão para diversificar matriz energética.

Leia Mais
Governo da Bahia vai cobrar 10% sobre Incentivos Fiscais até 2022

Governo da Bahia vai cobrar 10% sobre Incentivos Fiscais até 2022

Publicação: 12.11.18

Estados como a Bahia implementaram a medida para equilibrar os seus caixas em tempos de crise.

Leia Mais
Nordeste sente os benefícios da responsabilidade fiscal

Nordeste sente os benefícios da responsabilidade fiscal

Publicação: 26.10.18

A região está financeiramente mais preparada para atravessar a grave crise econômica que desmonta o Brasil

Leia Mais
1

Indústria baiana aposta em energia eólica para ganhar mais competitividade

Os bons ventos que sopram no sertão baiano e geram energia limpa e em abundância são a nova aposta da indústria siderúrgica e petroquímica do estado para ganhar mais competitividade.  Primeiro, foi a Companhia de Ferro Ligas da Bahia (Ferbasa) que investiu R$ 450 milhões na aquisição do Complexo Eólico Guirapá, localizado entre os municípios de Pindaí e Caetité.  Ontem, foi a vez da Braskem anunciar um acordo com a francesa EDF Renewables para a compra de energia do Complexo Eólico Folha Larga - ainda em fase de implantação - em Campo Formoso. O valor do contrato, que terá duração de 20 anos, alcança também recursos da ordem de R$ 450 milhões.  

 

“Esta é a primeira vez que a companhia incorpora a energia eólica dentro da sua matriz energética. A Bahia é um estado de destaque nacional nesta área, com um potencial fantástico, e era desejo da empresa que este processo começasse por aqui”, disse Gustavo Checcucci, diretor de energia da Braskem, durante visita ao CORREIO, acrescentandoa ainda  que a iniciativa agrega três componentes fundamentais para companhia: a energia gerada pelos ventos é economicamente competitiva, ambientalmente sustentável e tem um forte apelo social. 

 

Durante visita ao CORREIO, “Ao investir numa matriz limpa e sustentável como essa, deixaremos de emitir  325 mil toneladas de CO² na atmosfera ao longo do período do contrato”, destacou Gustavo Checcucci, diretor de energia da Braskem, lembrando ainda que o projeto de  Folha Larga também vai gerar novos empregos diretos e indiretos no semiárido baiano, mais renda por meio do pagamento de arrendamentos das terras onde serão instalados os aerogeradores, além de  promover a fixação do homem no campo. 

 

No Complexo Eólico Folha Larga, na zona rural de Campo Formoso, a 350 km de Salvador, a  EDF possui dois projetos, conquistados nos leilões de abril e agosto de 2018, com capacidade de geração de 294 MW. Deste total, 33 MW serão destinados à Braskem. É energia suficiente para  atender 84 mil residências (cerca de 300 mil pessoas), ou uma cidade do porte de Camaçari. O fornecimento do insumo para a companhia petroquímica será iniciado em janeiro de 2021.

 

“A energia vai atender as nossas unidades do Polo de Camaçari e de Alagoas”, informou Checcucci, acrescentando que o contrato com a Braskem vai permitir à EDF, por exemplo, agilizar o processo de financiamento para a construção do complexo eólico.

 

Ferbasa 

 

Na Bahia, a Ferbasa foi pioneira neste tipo de investimento. No final do ano passado, a principal fornecedora de ferroligas do Brasil e única produtora de ferrocromo das Américas decidiu  apostar na autossuficiência energética  e comprou por R$ 450 milhões o Complexo Eólico Guirapá, composto por sete parques eólicos (Angical, Caititu, Coqueirinho, Corrupião, Inhambu, Tamanduá Mirim e Teiú), 92 aerogeradores  e 170 MW de capacidade. O empreendimento pertencia ao Santander Investimentos  e à  Brazil Wind S.A.As  centrais eólicas já estão em fase operacional. Na época da negociação para a compra do complexo, a empresa baiana afirmou - em fato relevante - que “ a operação está inserida na estratégia da companhia de ampliar sua competitividade no setor de mineração, metalurgia e de recursos florestais, por meio do investimento no segmento energético, complementar as suas atividades, que fará com que a companhia passe a ter uma atuação vertical em relação aos seus negócios”.

 

Fieb 

 

O diretor da Federação das Indústrias do Estado da Bahia (Fieb), Murilo Xavier, destaca três pontos importantes nos investimentos do setor industrial baiano na produção e geração de energia limpa. “O primeiro é a preocupação com a sustentabilidade. É muito interessante para o estado constatar grandes grupos, como a Ferbasa e a Braskem, que são consumidores  relevantes de energia, em busca de soluções alternativas e que vão de encontro ao  desenvolvimento sustentável”, afirmou. Ele destacou ainda a geração de emprego e renda. Outro fator importante - acrescentou ele - é a mitigação de riscos. “O que verificamos é que essas empresas estão buscando garantir o fornecimento ou previsibilidade deste fornecimento, além da redução dos custos com o insumo”, afirmou Xavier, lembrando que este ano as contas de energia no mercado subiram quase 17% para o setor industrial.


Entrevista com Elbia Gannoum, presidente da Associação Brasileira de Energia Eólica (Abeeólica):

O Brasil acaba de ultrapassar a expressiva marca de 14,34  GW de capacidade instalada de energia eólica. Para efeitos de comparação,  é a mesma capacidade instalada de Itaipu - a maior usina hidrelétrica do Brasil. Até 2024, serão instalados mais 4,46 GW em 186 novos parques eólicos, de acordo com levantamento da ABEEólica. Nesta entrevista, a presidente da entidade, Elbia Gannoum, fala do potencial da Bahia e aponta os entraves para o desenvolvimento do setor. 

 

Como a senhora avalia o desempenho da Bahia neste setor?
 
Atualmente, a Bahia tem 133 parques instalados e 3,525 GW de capacidade instalada e tem um grande potencial para a energia eólica. O estado tem conseguido bons resultados em leilões realizados nos últimos anos, o que significa uma grande instalação de projetos, com uma instalação prevista para os próximos quatro anos de cerca de 1,6 GW de nova capacidade instalada (83 novos parques). A Bahia é hoje o estado com mais potência em construção ou contratada.

 

Ainda há espaço para o crescimento da energia eólica no Nordeste e no país? 

É importante explicar que o Nordeste como um todo é a região do Brasil mais importante para a energia eólica, que hoje concentra 80% de toda a capacidade instalada do setor. Ainda há muito espaço para crescimento do Nordeste. O potencial de energia eólica no Brasil é de cerca de 500 GW, muito mais do que o país consome atualmente. Considerando que a matriz de geração de eletricidade deve ser diversificada entre as demais fontes de geração e o Brasil tem um baixo consumo de eletricidade per capita, a energia eólica no Brasil ainda possui muitas décadas de desenvolvimento para o futuro.

 

Recorte de notícia publicada no jornal Correio*, em 28/11/2018. Notícia completa disponível neste link.

Por que investir no Nordeste

Horário de Atendimento

  • Atendimentos Seg. a Sex. das 8h00 às 17h30